quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

DILMA VAI A CUBA

  Por Jorge Serrão
Nas vésperas de ir a Cuba fazer negócios que interessam à turma de seu assessor-invisível José Dirceu, a presidenta Dilma Rousseff leva uma sutil palmada editorial das Organizações Globo. O cronista e cineasta Arnaldo Jabor usou ontem à noite sua coluna no “Jornal da Globo”, da Rede Globo, para alertar que “Dilma não deve ir a Cuba de carona no rabo do cometa Lula”.
Jabor cobrou que Dilma tenha a coragem de tocar na grave questão da violação dos direitos humanos na Ilha, depois da recente morte de mais um dissidente político em um dos infectos presídios de Havana. “Ela é a presidente de um grande país democrático e não pode somente bater cabeça pras saudades da ilha romântica de nossa juventude. Ela precisa demonstrar sua livre opinião, como fez com o Irã. Será?”.
Dilma visitará Cuba na próxima semana (dias 30 e 31). O foco principal do passeio é fechar negócios. O Brasil oferece a Cuba tecnologia de cana-de-açúcar e 200 milhões de dólares em crédito para que pequenos agricultores adquiram tratores e equipamentos de colheita e irrigação. Dissidentes cubanos cobram um encontro e uma posição de Dilma sobre a democracia dos irmãos Castro. Mas ela deve ignorá-los. Não deve encontrar com os descontentes. E, se falar de “direitos humanos”, só o fará nas conversinhas privadas com os ditadores Castro.
No editorial televisivo de ontem, Jabor aproveitou para dar uma pancadinha no ex-presidente que luta contra o câncer. Lembrou que Lula cometeu duas espantosas gafes quando foi a Cuba, após a morte do dissidente político Orlando Zapata. Segundo Jabor, Lula comentou que não podia se meter naquilo e comparou o mártir da resistência contra a ditadura dos irmãos Fidel a criminosos brasileiros. Jabor recordou a alegação de Lula - uma pérola de cinismo: “Imagina se todos os presos de São Paulo pedissem liberdade...”.
Jabor frisou que a gafe inesquecível e eterna de Extalinácio foi: “Eu lamento que um preso tenha se deixado morrer por uma greve de fome”. Na crítica ácida de Jabor, Lula culpou o dissidente morto por sua própria morte, e nada falou sobre a violenta repressão a dirigentes na Ilha onde José Dirceu costuma fazer bons negócios.
Arnaldo Jabor mandou pesado: “Lula sempre se dizia uma metamorfose ambulante, que dizia qualquer coisa para não comprometer sua imagem. Depois de nossos sonhos românticos nos anos 60, Cuba acabou se revelando incompetente. Fracassou econômica e socialmente. Criou uma burocracia stalinista, uma nova classe de privilegiados e perseguiu dissidentes, de gays a democratas, todos chamados de ´usanos´ (vermes). Mesmo assim, ainda é um símbolo que ilude a esquerda nostálgica".
Jabor deu uma ironizada final: "É claro que não podemos exigir da presidente (Dilma) uma intrusão diplomática na Ilha. Mas Dilma não pode ir apenas de carona na cauda do cometa Lula. Ela a presidente de um grande país democrático e não pode somente bater cabeça pras saudades da ilha romântica de nossa juventude. Ela precisa demonstrar sua livre opinião, como fez com o Irã. Será?”
Blog Alerta Total de 26 de Janeiro de 2011.

Um comentário:

maisumonline disse...

Quem manda na realidade nesta merda toda é o Zeca so não enxerga quem não quer ele realmente e quem comanda.......raios.