quarta-feira, 6 de abril de 2011

QUE O MENOS RUIM SEJA, AO MENOS, MELHOR APROVEITADO

O termo democracia tem origem grega e,
é formado por duas palavras: demos
– povo - e kratos - poder. Assim,
Democracia é o regime político no qual
a soberania é exercida pelo povo,
pertence ao conjunto dos cidadãos,
que exercem o sufrágio universal.
Esse tipo de Governo foi denominado
por Aristóteles de Democracia

Alguém disse anos atrás : "Quando se tem vinte anos de idade, você é um Ser humano melhor se simpatiza com a esquerda, mas quando passa dos quarenta, é um tolo se ainda acredita nisso..."
Já faz tempo que eu me convenci que o regime democrático é o melhor sistema político do mundo, não por ser perfeito (longe disso), mas por ser o menos ruim entre os outros, péssimos.
No bombardeio de artigos que a mídia publicou sobre os vinte anos da queda do muro de Berlim, completados em 2009, chamou-me a atenção a entrevista com o filósofo Francis Fukuyama, nipo-americano que na época do evento da queda do muro de Berlim (1989), cunhou a bombástica frase : "A queda do muro representa o fim da história..."
Desta feita, ele veio com a seguinte consideração: "A democracia é a nossa única alternativa." Será ?
Não consigo pensar numa democracia plena no Brasil com a existência dessa anomalia chamada "voto obrigatório".

No Brasil, o voto obrigatório foi instituído em 1932, por Getúlio Vargas, e inserido na Constituição de 34. O principal argumento na defesa dessa obrigatoriedade residia no fato do Brasil ser à época, um país eminentemente rural. Apenas 10% da população residiam nas cidades. Hoje, essa é uma realidade totalmente distinta, com mais de 60% da população habitando os grandes centros urbanos.Gostaria muito de me ver livre desse grilhão e, aí sim, poder dizer que vivemos num estado pleno de liberdade. Penso que desta forma talvez seja possível acabarmos ou pelo menos diminuir muito, com aqueles políticos que seduzem as pessoas com a mísera promessa de uma dentadura ou de um par de óculos. Os que vivem da política precisarão ter sérios argumentos e demonstrações reais de realizações louváveis e úteis para levar o eleitor a sair de sua casa para votar

É inacreditável que o voto obrigatório possa ser ainda uma regra inquestionável neste país.
A principal discrepância nesse sistema é a óbvia manipulação por parte dos partidos políticos, gerando consequências constrangedoras para um país que caminha economicamente para o primeiro mundo.
Como pode ser considerado normal, o fato de que o meu voto consciente seja esmagado impiedosamente por milhares de votos de incautos, que só votam por serem obrigados civilmente? Esses milhares, talvez milhões de pessoas, votam usando como critério de escolha os motivos mais fúteis e inconsequentes possíveis e o meu votinho consciente tem o mesmo peso? Isso é "democrático”?
Essa distorção já está demorando a ser corrigida no sistema eleitoral e certamente prejudica a consolidação de uma democracia plena.
Temos um sistema de votação e apuração moderno, mas esbarramos nesse conceito atrasado onde direito é confundido com dever.
Portanto, se não temos um sistema político mais avançado que o da democracia por enquanto, que ao menos o exerçamos com um critério mais apurado de qualidade, pois estamos fartos de eleger pessoas desqualificadas para os cargos do executivo e legislativo.
Quem não tem consciência, que fique em casa curtindo o seu churrasco dominical e deixem as urnas para quem realmente enxerga no voto, o exercício de seus ideais de gerenciamento para municípios, estados e federação.
Chega de jogadores de futebol, comunicadores de massa, religiosos e artistas popularescos sendo eleitos por pessoas que votam pela "obrigação" e nada mais.

Indicado para publicação pelo Juma, de e-mail recebido de seu amigo: Luiz Domingues, músico da Banda Pedra, de São Paulo.

Imagens da Internet - legenda e fotoformatação (PVeiga).

11 comentários:

Juma Durski disse...

O Luiz é muito inteligente,e um grande amigo!
Valeu Pedro!
Obrigado!

Luciano disse...

O voto obrigatório não é bem obrigatório, pois é facilmente justificado.
Mas quem é que quer mesmo o voto facultativo? Os mais ricos que podem comprar mais facilmente os votos daqueles que irão votar apenas com a obrigação de receber pelo serviço de ir votar.
Não sejam tolos. Se tiverem preocupação de fato com a democracia, exijam o fim da contribuição privada aos candidatos. Pelo fim do financiamento de empresas aos candidatos já seria um grande serviço à democracia.
E não me venham com xurumelas...
Luciano (amigo do Xiru)

Juma Durski disse...

Não concordo com o Luciano.As empresas financiam candidatos sim, inclusive os que estão no poder,que você defende às cegas.

CUICA disse...

A questão é que, para que o voto facultativo seja possivel e preciso que se faça uma mudança(emenda) na constituição, e como você bem colocou, não e interessante para
os políticos corruptos que ficarão sem o seu poder de manipulação em seus currais eleitorais.
O sistema, esta totalmente corrompido.
ps: seu texto está muito bom.

marco turci disse...

O voto é obrigatório ,para fazer voce conivente.O voto obrigatório faz com que voce legitime o sistema mesmo que voce nao concorde.

Imagine a seguinte situaçao ,muito parecida com o cenario real da politica brasileira:

Dois traficantes estabelecem uma "associaçao de moradores" e convocam uma eleiçao disputando o exercicio do mandato no morro ,voce como cidadao correto ,é evidente nao gostaria de partipar pois nao compactua com a iniciativa.,sabe que se trata de politicos,oopss...traficantes,,.mas voce mora no morro e .. se nao votar .....vai sofrer as consequencias...

Obrigando pela força voce a votar, no" legitimo processo democratico " eles estao sendo legitimados ,usando a "persuasao ", voce intimidado, pela maldita bandidagem comparece a urna e anula o voto, mas, como voce compareceu , voce aceitou a regra ou seja partipou , se comprometeu com os politicos ooopss,... marginais .ou seja voce compactuou votando.(OU mesmo anulando)e legitimou o mandato ,(mesmo a contra gosto ,) do marginal ,.se os candidatos prestam ou nao agora ,isso nao vem ao caso .voce foi intimidado aceitou o candidato vencedor ,pois "votou"(mesmo anulando)e ele agora goza de todas as prerrogativas do mandato!!!ENGULA!!!!!eles estao no PODER!!!legitimados!!!!

Z Rubens Turci disse...

O Marco disse tudo...

marco turci disse...

Eleitor consciente

Você sabia que dos 513 deputados federais que tomaram posse em janeiro só 36 se legeram com votos próprios?
Você sabia que está sendo discutido no congresso uma reforma eleitoral?
Você sabia que no dia 29 de março o senado já aprovou um projeto para que nas próximas eleições você não tenha o direito de votar no seu candidato?
Você sabia que a proposta aprovada no senado, a LISTA FECHADA, você vai votar em partidos e eles vão escolher os candidatos?
Você sabia que esse sistema eleitoral só existe em Portugal e Espanha, ambos parlamentaristas?
Você sabia que existe um sistema chamado DISTRITAL, em que você alem de escolher o seu candidato ainda acabará com o famigerado voto de legenda que colocou na camara 477 sem votos?
Você sabia que pode firmar posição contra esse projeto que tira seu direito de escolher seus representantes no congresso?
Você sabia que no www.euvotodistrital.org.br você pode defender seu direito de votar em quem você quiser
assinando a petição a favor do VOTO DISTRITAL?


VAMOS DERRUBAR ESSE PROJETO QUE IMPEDE O LIVRE ARBITRIO DO POVO BRASILEIRO E TENTA MANIPULAR O ELEITOR FAVORECENDO AS OLIGARQUIAS PARTIDÁRIAS.

marco turci disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
marco turci disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Blog do Luiz Domingues disse...

A despeito da opinião contrária do segundo opinante, ainda acho que o voto obrigatório é de fato um fator manipulador das massas. A questão levantada por ele no tocante aos financiamentos de campanha é relevante, porém não contraria a minha opinião, tratando-se de uma outra questão séria a ser discutida oportunamente.

Herman ou Niko disse...

Luciano.. não é bem por aí.. e o voto obrigatório, por acaso, não é vunerável ao comércio? no caso, não se compra e não se vende? isso já acontece amigo, independente de ser obrigatório ou não. então, esse argumento não vinga. a questão é outra. não sendo obrigatório, vai contar muito o esforço de cada grupo político, além do esclarecimento e bom senso da população ser mais priorizado. aí os que votam unica e simplesmente pela obrigação, com desleixo, acabam por nem sair de casa. e isso é bem mais 'democrático'.. inclusive, toda obrigação contradiz essa dita 'democracia'.. enfim.. abraços!