quinta-feira, 10 de março de 2011

CRÔNICA: ORGULHO? DE QUÊ?

Giul Cavasin

“Acabou nosso carnaval / Ninguém ouve cantar canções/ Ninguém passa mais brincando feliz”.

É, agora ninguém mais brinca de ser rei ou rainha, menestrel ou jogralesa.

Todo mundo abaixa a cabeça diante do peso da realidade.
Ninguém mais joga confetes nem serpentinas para dar mais brilho ao baile de carnaval.
Todos voltam a reclamar das coisas cotidianas, falar que tudo é culpa do governo, tomar conta da vida alheia... Todos voltam a prestar atenção nas coisas que realmente precisam de atenção.

Na quarta-feira, todos voltam ao trabalho, quer estejamos bem ou não. Mas o Brasil só volta mesmo na quinta, com exceção da Bahia, que tem um carnaval por ano e dura o ano todo.
Acabado esse samba todo, esse axé, esse funk, entre outros ritmos que se toca nas festas de carnaval, onde fica o nosso orgulho de sermos brasileiros?

Pois, claro que o Brasil se orgulha de ser reconhecido mundialmente como “país do carnaval”, “país do futebol”. ...
Talvez também devesse se orgulhar por ser 16° no ranking de avanços na educação (quando sabemos que o país tem potencial para fazer mais), 24° lugar entre 119 países que sofrem com o problema da fome, 70° colocado entre 163 países que também possuem políticos corruptos.
Somos 35° colocados em atuação ambiental... Depois reclamam que vão perder a Amazônia, que todo mundo vai ficar sem água, sem ar, sem planta... Sem vida!

“A tristeza que a gente tem / Qualquer dia vai se acabar”.(...) “Porque são tantas coisas azuis / E há tão grandes promessas de luz”, que, mesmo o povo ainda vivendo na escuridão, todo mundo brinca o carnaval e acha lindo!

Será que ainda temos esperança de um país melhor? Um país que sofre com tantas doenças sociais e investe milhões em escolas de samba e desfiles de carnaval?
Sabe, acho que a Marcha da quarta-feira de cinzas só vem nos mostrar o que o país passa o ano todo e todos, inclusive autoridades, enxergam esses problemas uma vez por ano: Quando acaba o carnaval.
Afinal, eles não têm tempo de pensar nessas coisas... Precisam preparar o país para a chagada do coelhinho da páscoa, depois, para a festa de São João, depois, para a festa de Aparecida, e depois... Para que se preocupar, já acabou o ano mesmo...

Um país que tem uma administração baseada em festas, só pode ser país do carnaval!

Giul Cavasin é blogueira, professora de língua e literatura portuguesa e inglesa.e colaboradora do Texto & Contexto.

Um comentário:

Juma Durski disse...

Deveríamos ter orgulho, se fossemos conhecidos como o país da educação, da saúde, do trabalho digno para todos. País de políticos sérios,incorruptíveis.
Mesmo diante de tantas tristezas, continuamos a dizer em alto e bom tom:"Ama com fé e orgulho a terra em que nasceste".