quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

BEBÊS EM GESTAÇÃO E OVOS DE TARTARUGA


Por Reinaldo Azevedo
Tartarugas são animais protegidos, como sabemos. Eu aposto que há mais ONGs empenhadas em salvá-las do que entidades dedicadas ao combate ao aborto. Mas não são apenas as tartarugas nascidas que estão sob tutela. Não! Não só é proibido comer a carne do bicho como também é proibido se alimentar de seus ovos, hábitos de várias comunidades no Brasil que foram postos na ilegalidade.
Se alguém argumentar que um ovo de tartaruga ainda não é uma tartaruga, será tomado por idiota ou cínico. Porque é certo, salvo algum evento da natureza, que, lá vem um quase-poema concreto, no ovo está o novo que renova o velho.
Por alguma estranha razão que ainda não foi suficientemente explicada — e não há um só abortista que tenha conseguido fazê-lo — há quem considere que o “ovo” humano não contém o humano.
Dona Eleonora comparou um aborto a uma infecção, ao vírus da AIDS, ao crack. A imoralidade dessa gente me obriga a animalizar o humano para protegê-lo de certos humanos. Que o feto da nossa espécie ganhe o status de um ovo de tartaruga!
Que o IBAMA cuide dos fetos do Homem, já que os humanistas de Dilma o consideram um vírus a ser combatido por políticas públicas.
Do blog do Julio Severo

Um comentário:

maisumonline disse...

Ser humano? isto? não creio so tem forma são animais....
--------------------------------

Armas e bagagens
Amiga de Dilma Rousseff desde os anos 60 e sua colega de prisão na ditadura militar, a mineira e socióloga Eleonora Menicucci ainda nem tomou posse na Secretaria de Políticas para as Mulheres e já apresenta suas armas e bagagens, acendendo a luz de alerta na bancada evangélica e nas entidades religiosas do Brasil, incluindo-se a CNBB – Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil. Ex-guerrilheira, Eleonora é totalmente a favor da liberação do aborto, confessa já ter se submetido à prática duas vezes e não esconde nada de sua vida pessoal. À revista TPM, já declarou: “Me relaciono com homens e mulheres e tenho muito orgulho da minha filha, que é gay e teve uma filha por inseminação artificial”. Agora, a socióloga avisa que levará sua bandeira ao governo e que a presidente Dilma não lhe impôs nenhuma condição quando a convidou para o cargo. ( Giba Um)